Como funciona um projeto de Big Data? É o futuro do Marketing?

vidamotivacao

Big Data já é considerada uma grande tendência para o Marketing. Com o crescimento da Internet e, consequentemente, das informações dos usuários na rede, as marcas tendem em entender e impactar seu público de uma maneira muito segmentada e dirigida.

Será possível, por exemplo, impactar com um anúncio a dona de casa na hora que ela está indo ao supermercado.

O segredo está em como organizar e armazenar esta quantidade grande de dados (daí o termo Big Data). Algumas marcas já sabem utilizar de forma eficaz esta nova realidade.

O vídeo abaixo é um promocional de uma plataforma Big Data, mas também conta um pouco sobre como iniciar um projeto de Big Data.

Big Data e o futuro do Marketing

internet-icon-vector_34-49377

Big Data é o conjunto de soluções tecnológicas capaz de lidar com dados digitais em volume, variedade e velocidade inéditos até hoje. Na prática, a tecnologia permite analisar qualquer tipo de informação digital em tempo real, sendo fundamental para a tomada de decisões.

Via: http://oglobo.globo.com

10 produtos do Facebook que foram um fracasso

Facebook

Nem só de alegrias viveu o Facebook em seus 10 anos de atividades. Além dos inúmeros problemas sobre privacidade, a empresa também teve de lidar com o fato de que nem tudo o que apresenta ao público é bem aceito. Confira abaixo uma lista com 10 fracassos da maior rede social do mundo:

Beacon

Com ele você podia compartilhar informações sobre o que fazia pelo Facebook… informações demais. A ideia era publicar posts informando que o usuário havia feito compras online. Dizendo o que e onde foi feita a aquisição.

Em dezembro de 2007, apenas um mês após o lançamento do Beacon, Mark Zuckerberg divulgou um texto reconhecendo ter cometido “muitos erros ao desenvolver essa ferramenta”, que foi desativada em seguida.

Credit

Muito usada em games como FarmVille, da Zynga, a moeda do Facebook tinha como missão ser adotada de forma universal, mas não pegou e a empresa resolveu desativá-la em 2012. Cada dólar comprava 10 créditos.

Places

Criação do Facebook bem similar ao Foursquare, essa ferramenta não fez muito sucesso e acabou reformulada. Hoje há uma opção mais simplificada de check-in nos aplicativos móveis.

Deals

Em 2011, época em que o Credits ainda funcionava, o Facebook resolveu competir com o Groupon e lançou o Deals. As pessoas conseguiam obter descontos junto a comerciantes locais (o recurso entrou em teste em apenas cinco cidades) e também poderiam pegar vouchers pelo Facebook Credits.

Subscribe

Não é que esta opção tenha desaparecido, mas ela teve de ser renomeada. Lançado em setembro de 2011, o botão Subscribe permitia que pessoas seguissem outras e vissem seus posts públicos. O site achou melhor copiar o Twitter de uma vez e mudar para Follow – ou “seguir”, em português.

On This Day

Também em 2011, o Facebook quis lembrar os usuários sobre o que eles haviam feito no passado, então mostrava a eles seus posts escritos anos atrás. A ideia nunca chegou a ser implementada plenamente; ficou em fase de testes, depois voltou em 2013 e sumiu de novo.

Sponsored Stories

A comunidade em prol da privacidade se animou quando o Facebook anunciou que acabaria com este formato publicitário que usa as atividades dos usuários para fazer propaganda.

Online Offers

Em 2012 o site lançou, em teste, um recurso para oferta de cupons e descontos que poderiam ser resgatados nos sites das empresas anunciantes. Outra ideia que acabou ficando para trás.

Questions

Antes, além de postar texto, imagem e vídeo, você também podia fazer uma pergunta pelo Facebook, criando uma enquete. Essa funcionalidade foi desativada em partes, pois ainda funciona em grupos e eventos.

Gifts

O Facebook já foi uma opção de loja para compra de presentes físicos; a operação toda era feita dentro da rede social, até que alguém entregaria o produto no endereço desejado. Só que 80% dos consumidores compravam apenas cartões eletrônicos, então no ano passado o Gifts passou a se limitar a esse tipo de ação.

Via: OlharDigital.com.br 

O pai que criou uma empresa para se comunicar com filha com deficiência

clara_app_empreendedor

Há seis anos, o analista de sistemas Carlos Pereira recebia com a alegria a notícia do nascimento de sua filha Clara. Só que, infelizmente, a menina foi vítima de um erro médico que a deixou com paralisia cerebral. Pensando em melhorar a vida de sua filha, Pereira criou o Livox, aplicativo que deu a Clarinha a chance de se comunicar. E transformou o mundo dela.

Pela vontade de falar com sua Clara, ele chegou a procurar desenvolvedores de aplicativos de comunicação para deficientes em outros países. Mas ninguém quis investir no Brasil. “Com a recusa, resolvi desenvolver seu próprio aplicativo, com a ajuda de fonoaudiólogos, terapeutas e pedagogos”, diz ele, que mora com a família em Recife (PE).

O Livox tem um catálogo de 14 mil imagens e cada uma delas pode passar uma mensagem. O usuário pode dizer “sim” ou “não” a uma pergunta, dizer que está com fome, que quer ir ao banheiro e escolher o que quer comer no almoço.

Via: http://revistapegn.globo.com

Facebook: como fazer uma retrospectiva sua

Facebook

Desde de sua criação, o Facebook tem ajudado as pessoas a se comunicarem, se encontrarem e também contar sua história.Daí vem a ideia da Timeline (linha do tempo). É de se perceber que o Facebook relaciona cronologicamente os nossos posts, inclusive podemos postar uma foto de infância, por exemplo, e colocar a data em que ela foi tirada (1988).

Baseado em sua história pessoal, o Facebook criou uma plataforma que automaticamente cria um vídeo de retrospectiva do seu perfil.

Quando você entrou no Facebook? Qual seus principais momentos? Fotos mais comentadas? Descubra!

Faça já sua retrospectiva, é fácil! Apenas acesse o link: https://www.facebook.com/lookback

Como ganhar 1 milhão vendendo chinelos? Esta menina de 15 anos sabe.

Madison_Robinson_chinelo_empreendedora

A menina de 15 anos que ganhou US$ 1 milhão vendendo chinelos

Ele tinha apenas 8 anos de idade quando criou sua empresa, a FishFlops.

Sete anos depois, seus produtos estão nas prateleiras da Nordstrom, uma das grandes varejistas americanas. “Para fechar o contrato, eu mandei uma carta para a Nordstrom e nem acreditava que eles dariam atenção, mas deu certo”, disse a menina em entrevista à FOX.

Aos 15 anos, a americana Madison Robinson tem seu próprio negócio – uma empresa que fabrica chinelos para crianças – e já faturou seu primeiro US$ 1 milhão. Os chinelos, cujos desenhos são feitos pela própria garota, são inspirados em duas das suas paixões: pescar e nadar.

Além de chinelos, Madison vende camisetas e livros infantis que ela mesma escreve.

Via: http://revistapegn.globo.com

Nunca é tarde para empreender: conheça a manicure que lançou linha de esmaltes aos 80 anos

maria_soares_empreendedora

Maria Helena Soares, com 80 anos, trabalhava em tempo integral como manicure até outubro de 2013, foi então que começou a vender uma coleção de esmaltes com o seu nome.

“Sempre gostei de variedade. Comecei a misturar as cores nas unhas das clientes e fui ganhando mais trabalho”, conta a manicure. Com as sócias Ruchelle Crepaldi, 27, e Liliane Lelis, 50, as criações de Maria Helena passaram a ser fabricadas em uma indústria terceirizada.

Hoje são 46 itens na linha, vendidos em 25 pontos de venda de nove estados do Brasil a um preço sugerido de R$ 18.

Como o negócio foi criado em outubro de 2012, foi apenas em 2013 que a linha de Maria Helena começou a deslanchar. Mas apesar do sucesso, ela ainda continua trabalhando como manicure e tem planos de continuar acumulando funções.

Via: http://revistapegn.globo.com/

Google lança E-Book para ajudar no Mobile Marketing

mobile_playbook_livro_celular

Atualmente no Brasil o número de aparelhos móveis ultrapassou o de computadores pessoais. A venda de Smartphones cresce a cada trimestre e o acesso à rede 3G, e agora 4G, vem invadindo o país.

Desde já as empresas vem se preocupando com esta nova plataforma, por isso o Google lançou um guia que traz as melhores práticas e responde 5 grandes perguntas:

1) Como o celular muda a nossa proposta de valor?

2) Como o celular impacta nossos destinos digitais?

3) Nossa organização está se adaptando ao celular?

4) Como o nosso marketing deveria se adaptar ao celular?

5) Como podemos nos conectar com públicos alvo em várias telas?

Conheça agora o The Mobile Playbook: http://www.themobileplaybook.com/br